Pular para o conteúdo principal

DIANÓPOLIS / TOCANTINS - Berço cultural do estado, tem mais à oferecer, cascatas, cachoeiras, museu e "garganta"; platô da serra geral com cânions e mirantes




LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "DIANÓPOLIS" / TOCANTINS / BRASIL
DIANÓPOLIS
BEM VINDO A CIDADE DE DIANÓPOLIS. CIDADE DO DIANOFOLIA
imagem - ?
População estimada 2016 (1) - 21.457
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 3.217,313
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 5,94
Código do Município 1707009
Gentílico - dianopolino
ORIGEM DO NOME DE DIANÓPOLIS, TO
A origem do nome "Dianópolis" está relacionada a Francisco das Chagas Moura, que foi prefeito do município entre os anos de 1934 a 1938. Então, a cidade chamava-se "São José do Du•ro". "Duro" era uma simplificação de "D´ouro", uma vez que a região era rica em ouro em seu subsolo. Quando prefeito, Francisco Moura indicou que a cidade fizesse uma homenagem às senhoras do lugar que chamavam-se "Custodiana", conhecidas pela alcunha de "Diana". Daí a indicação da cidade passar a chamar-se "Dianópolis", quer dizer, "Terra das Dianas".
Gentílico: dianopolino
Histórico
HISTÓRICO DE DIANÓPOLIS
Dianópolis é uma das mais antigas cidades do Tocantins e berço histórico e cultural do Estado, o início de sua história data aproximadamente de 1750. Nessa época já existiam rústicas habitações de lavradores, pecuaristas e mineradores que viviam do que a terra, o gado, o ouro e a caça lhes davam. Homens anônimos que partindo do Nordeste e do Oeste, ganharam o vale do São Francisco subiram a Serra Geral e penetraram no Tocantins. Do Sul também chegaram aventureiros em busca de minerais e de índios, ganharam o Vale do São Francisco através de Minas Gerais e penetraram no território da capitania. Ainda uma corrente menor, partindo do sul da Capitania, atravessou o Vale do Paranã e chegou ao território do atual município de Dianópolis. Finalmente, das Capitanias do Grão Pará e do Maranhão também chegaram à região alguns migrantes.
Nessa época existiam grandes aldeias de índios, dentre elas destacavam-se as tribos dos Gueguês, Assus, Acroás, Xacribás e Xerentes. Esta última era a maior e mais belicosa. Eram temidos.
Foi animado pelo sentimento de medo e ódio, que o povo solicitou proteção do governador Dom Marcos de Noronha “ Conde dos Arcos “ da então Capitania de Goiás. Atendido ao pedido, eis que certo dia chega no interior do sertão uma comitiva constituída de padres, jesuítas e homens experientes e instruídos, com o objetivo de catequizarem os nativos. Assim são fundados alguns aldeamentos, entre eles o Formiga e Missões. Nesses aldeamentos eram colocados os selvagens, capturados a força e conduzidos ao interior do aldeamento para serem devidamente educados e evangelizados.
Em 1751 foi edificado um aldeamento, nas proximidades do Ribeirão Formigas, com o nome de São Francisco Xavier do Duro, mais conhecido como Missões ou Missão, onde foram aldeados 600 índios da tribo Xacriabás. Em 1755 foram aldeados 250 índios da tribo Acroás. Esses aldeamentos foram feitos utilizando a força pelo coronel pernambucano Venceslau Gomes da Silva, a pacificação dos índios e a administração dos aldeamentos contaram com os jesuítas Bento Soares, Jose Batista e José Vieira, estes últimos vindos da Bahia, por solicitação do governador da capitania de Goiás “ Dom Marcos de Noronha”.
Conforme a versão popular, as índias Tapuia (designação para qualquer indígena da região) em suas andanças pelos arredores, encontraram pedras amarelas que foram levadas aos Jesuítas. Estes constataram que tais pedras eram pepitas de ouro. Em decorrência desse fato, os índios ficaram responsáveis pela extração aurífera, tornando-se o local conhecido como “As Minas das Tapuia”, daí derivando os nomes D’oiro, D’ouro e Duro.
Segundo o historiador Palacin, os índios mantiveram conflitos permanentes com as frentes mineradoras da região de Natividade, Arraias, Conceição e Cavalcante, os quais foram combatidos pelo Cel. Wenceslau Gomes da Silva cumprindo determinações do Governador Geral da Capitânia D. Marcos de Noronha em apoio aos jesuítas Bento Soares e José Matos.
Os episódios que marcaram a história da Vila do Duro foram protagonizados por índios que reagiam às imposições dos colonizadores. Ocorreram também disputas políticas entre os habitantes locais e os invasores.
No entanto, com a constante chegada de homens civilizados nas cercanias do aldeamento de Missões, os Xacriabás não gostaram dessas penetrações, fugindo grande parte deles com a promessa de voltar para levar a imagem do santo São José, localizada na capela de Missões. Isso porque durante o período em que estavam aldeados, afeiçoaram-se de tal forma com a imagem do santo que agora julgavam lhe pertencer. Mas a tal promessa acabou não se cumprindo.
AQUI A AABB
imagem - J. A. Valente Neto
AEROPORTO DE DIANÓPOLIS, TOCANTINS
imagem - J. A. Valente Neto
BALNEÁRIO MUNICIPAL
Rio de águas límpidas, bar, quiosques, quadra de vôlei, sanitários, estacionamento, boas margens para lazer, ideal para banhos, diariamente aberto, para maiores informações procure a Secretaria de Turismo.
imagem - J. A. Valente Neto
CENTRO MÉDICO ESPECIALIZADO DE DIANÓPOLIS, TOCANTINS
imagem - J. A. Valente Neto
CORETO DA PRAÇA
imagem - J. A. Valente Neto
CACHOEIRA DA RÉ DE DIANÓPOLIS, TO
Distância/Acesso: 20 km / TO 387. Pequena extensão e limpidez; o acesso é feito por trilha de aproximadamente 1 hora e 30 minutos. Propriedade particular
imagem - J. A. Valente Neto
CASCATA CACHOEIRINHA EM DIANÓPOLIS, TO
Distância/Acesso: 6 km / TO - 040. Riacho com boa margem para lazer; piscina natural; oferece um cenário de grande beleza. Propriedade particular
imagem - J. A. Valente Neto
CASCATA DO NOVO HORIZONTE EM DIANÓPOLIS, TO
Distancia/Acesso: 5 km / TO - 040. Piscina natural de pequenas dimensões; margens de pedras; bom para banhos; o acesso é feito por trilha de aproximadamente 30 minutos. Propriedade particular
imagem - J. A. Valente Neto
SISTEMA DE IRRIGAÇÃO
imagem - J. A. Valente Neto
CAPELA DOS NOVE
Localização: Praça da Capelinha. Abriga os restos mortais das nove vítimas do massacre ocorrido em 1919, não há visitação interior
imagem - J. A. Valente Neto
MATRIZ DE SÃO JOSÉ
imagem - Vicente A. Queiroz
IGREJA SAGRADA FAMÍLIA EM DIANÓPOLIS, TO
Descrição: datada de aproximadamente 1889, a igreja foi construída sobre ruínas da anterior; é aberta aos domingos de manhã para celebrações de missas e em ocasiões especiais
imagem - J. A. Valente Neto
SEDE DO PODER JUDICIÁRIO - FORUM DE JUSTIÇA DE DIANÓPOLIS, TO
imagem - J. A. Valente Neto
BIBLIOTECA MUNICIPAL DE DIANÓPOLIS, TO
Espaço público de pesquisa e lazer; a biblioteca conta com vários títulos literários e científicos, revistas e jornais diários; além de obras narradas por dianopolinos; está aberta durante a semana das 7 hs às 19 hs; e nos finais de semana das 7 hs às 17 hs; para maiores informações procure a Secretaria de Turismo.
AQUI A ESCOLA
imagem - J. A. Valente Neto
MUSEU MUNICIPAL DE DIANÓPOLIS, TOCANTINS 
Descrição: abriga peças históricas das famílias mais tradicionais; são utensílios, móveis, objetos pessoais, documentos, dentre outros; o horário de visitação é das 7 h às 19 h e nos finais de semana das 7 h às 17 h
imagem - J. A. Valente Neto
SEDE DO INSS EM DIANÓPOLIS, TO
imagem - J. A. Valente Neto
INSTITUTO DE MENORES
imagem - J. A. Valente Neto
GINÁSIO POLIESPORTIVO DE DIANÓPOLIS, TOCANTINS
imagem - J. A. Valente Neto
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA -
imagem - J. A. Valente Neto
BALANÇA
Distância/Acesso: 15 km / TO - 040. Ribeirão Morena. Com boas margens para lazer e limpidez e bom para banhos. Propriedade particular
imagem - J. A. Valente Neto
RIO GAMELEIRA
Distância/Acesso: 20 km / TO - 040. Ribeirão Gameleira; piscina natural; margens de pedras; bom para banhos; o acesso é feito por trilhas de aproximadamente 45 minutos. Propriedade particular
imagem - J. A. Valente Neto
RIO PALMEIRAS
imagem - J. A. Valente Neto
AGÊNCIA DOS CORREIOS E TELÉGRAFOS
imagem - J. A. Valente Neto
GARGANTA
Distância/Acesso: 70 km / TO - 387. Vegetação exótica; platô da Serra Geral; cânions, mirantes; ideal pra prática de observação e pesquisas.
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
CAMPINHO
imagem - J. A. Valente Neto
PARA TODOS OS LUGARES
imagem - J. A. Valente Neto
FEIRA LIVRE COBERTA EM DIANÓPOLIS, TO
imagem - J. A. Valente Neto
HOSPITAL DE DIANÓPOLIS, TO
imagem - J. A. Valente Neto
CONHEÇA UM POUCO MAIS DE DIANÓPOLIS
imagem - ?
imagem - ?
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - J. A. Valente Neto
imagem - ?
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE DIANÓPOLIS, TO
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE DIANÓPOLIS, TO

fonte / fotos = Wikipédia / Thymonthy Becker / IBGE / Divulgação / Portal da Prefeitura Municipal / 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARECHAL DEODORO / ALAGOAS - A primeira capital de Alagoas, Patrimônio Histórico Nacional, numa simpática viela de colorido casario colonial, nasceu Marechal Deodoro da Fonseca

LINHA DO TEMPO DA CIDADE DE "MARECHAL DEODORO" / ALAGOAS / BRASIL
O centro histórico de Marechal Deodoro em Alagoas tem muitas construções antigas, mas nem tudo está preservado A primeira capital de Alagoas ganhou, em 2006, o título de Patrimônio Histórico Nacional. Reúne um conjunto de dez igrejas, a maioria em ruínas. Entre elas estão a Senhor do Bonfim (1755), no bairro de Taperaguá, a N.S. do Amparo (1757), na Rua Ladislau Neto, e o importante complexo (atualmente em restauração, fechado para visitas) onde ficam o Museu de Arte Sacra, o Convento de São Francisco e a Igreja de Santa Maria Madalena. A casa onde o Marechal Deodoro da Fonseca viveu até os 16 anos é um museu, na rua que leva o seu nome (uma simpática viela de colorido casario colonial). Você pode estacionar o carro ali e, com um guia do museu, conhecer os arredores. foto - ? População estimada 2016 (1) - 51.715
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 332,140
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 138,62
Código…

CARATINGA / CIDADE ESPERANÇA / TERRA DAS PALMEIRAS

SEJA SEMPRE BEM VINDO A CIDADE DE CARATINGA. A CIDADE DO MENINO MALUQUINHO
copyrigth "?" ORIGEM DO NOME
A denominação do município Caratinga, de origem indígena, (cará / tinga = branco) é devido à falta de alimentação diversificada, o que fazia com que os primeiros habitantes da região se alimentassem de um tubérculo muito encontrado na região na época do povoamento, um cará-branco que servia de alimento para os índios CARATINGA TEM ATUALMENTE, 85.322 HABITANTES. QUEM NASCE EM CARATINGA É: CARATINGUENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,754 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU. A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 24 DE JUNHO. FOI FUNDADA EM 1848 EM CARATINGA, FORAM REALIZADOS EM 2010, 513 CASAMENTOS 056 SEPARAÇÕES 079 DIVÓRCIOS. HISTÓRIA
Em 1841 aportou por estas terras o grande desbravador Domingos Fernandes Lana, que aqui permaneceu até 1847.
No final desse ano, João Caetano do Nascimento, João Antônio de Oliveira e João José, bravos pioneiros, vieram de mudança, trazendo suas famílias,…

CORONEL FABRICIANO / CIDADE DA SERRA DOS COCAIS

BOM DIA. BEM VINDO A CORONEL FABRICIANO.
copyrigth "pmcf" CORONEL FABRICIANO TEM 103.797 HABITANTES. QUEM NASCE EM CORONEL FABRICIANO É: FABRICIANENSE. O IDH DO MUNICÍPIO É DE: 0,789 - CONSIDERADO MÉDIO PELOS INDICADORES DA ONU. A ÁREA DA CIDADE É DE APENAS 221 QUILÔMETROS QUADRADOS. DEVIDO A ISTO, A DENSIDADE DEMOGRÁFICA É ALTA. SÃO 470 HABITANTES POR QUILÔMETRO QUADRADO. Destemidos desbravadores, muitos dos quais heróis anônimos que arrostando o endêmico impaludismo, em meio selvagem e hostil, abriram picadões, rasgaram clareiras, mata virgem adentro sertões afora, para que a ferrovia Vitória a Minas pudesse estender as suas paralelas de aço em direção a Itabira, em demanda do riquíssimo minério de ferro do fabuloso Cauê, hoje fonte principal de uma das maiores divisas acarretadas para a Pátria Brasileira. Foi do arroio daqueles heróicos operários, que surgiu a atual cidade Coronel Fabriciano, que até o princípio de 1922 não passava de uma floresta virgem, não violada p…

QUARTEL GERAL / MINAS GERAIS - Paisagens naturais, Trilhas do Indaiá, Cachoeiras, esportes Radicais, Jipeiros, Construções Históricas. Aventure-se nesta jornada

LINHA DO TEMPO DE "QUARTEL GERAL" / MINAS GERAIS / BRASIL
Quartel Geral faz parte do circuito turístico caminhos do Indaiá. Quartel Geral uma cidade tão especial e peculiar para os mineiros. Eugênia, esposa de Tiradentes, depois de sua morte morou na cidade com seu filho em uma fazenda. A mineração dos diamantes também foi um ponto marcante para a criação do povoado e posteriormente, da cidade. São aspectos que permeiam a história de Quartel Geral e que somente entrando nas verdes matas para descobrir os caminhos do Indaiá, o Rio que atravessa vários municípios e que deu nome ao circuito turístico. Para quem gosta de esportes radicais, os trilheiros, jipeiros e de cachoeiras, Quartel Geral pode proporcionar muitas aventuras.
Academia da Saúde em Quartel Geral, Minas Gerais,  tem por objetivo manter a população saudável
foto - Câmara Municipal Conhecer Quartel Geral também é uma aventura por tudo que o município tem a oferecer com suas paisagens naturais. Aventure-se nessa jornada. Q…

VARZEA DA PALMA - NO CAMINHO DA BAHIA

BEM VINDO A CIDADE DE VARZEA DA PALMA. 
foto - Alonso Alves dos Reis Neto
VARZEA DA PALMA TEM 35.809 HABITANTES - IBGE 2010 -
QUEM NASCE EM VARZEA DA PALMA EH: VÁRZEA PALMENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 12 DE DEZEMBRO E FOI EMANCIPADA EM 1.953
ORIGEM DO NOME

PARACATU / MG

BEM VINDO A CIDADE DE PARACATU. CIDADE NATAL DE AFONSO ARINOS / RICA EM CULTURA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO imagem - Revoredo
PARACATU TEM 84.718 HABITANTES - IBGE 2010 - QUEM NASCE EM PARACATU EH: PARACATUENSE A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 20 DE OUTUBRO E FOI FUNDADA EM 1.728 ORIGEM DO NOME "Paracatu" é um termo de origem tupi que significa "rio bom", através da junção dos termos "Pará" ("rio") e "Katu" ("bom") Paracatu pertence ao seleto grupo das dez cidades nacionalmente tombadas em Minas Gerais, o que a coloca no patamar de um dos municípios mineiros mais ricos culturalmente e patrimonialmente, sendo integrante também da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais. HISTÓRIA Não existe consenso entre os historiadores sobre a data efetiva em que foi descoberta e povoada a região de Paracatu. De qualquer forma, admite-se que o território paracatuense já era conhecido desde o final do século XVI pelos brancos, que vinham da Vila de Sã…

RIO GRANDE DO SUL / BRASIL - As lembranças, as emoções que ficam, as histórias para contar, os pequenos prazeres que só tem valor quando a gente vive o momento

LINHA DO TEMPO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL / BRASIL Como não se render à beleza e os encantos de cada pedacinho de chão desse Rio Grande do Sul? Alguns destinos onde a natureza encanta por sua serenidade, e se apresenta por trilhas ecológicas, belas cascatas, cachoeiras, grutas, cânions e montanhas. E assim nos recebe esse Rio Grande... Conversando com nossa gente, com um mate bem cevado às mãos e a tradição gaúcha no coração... Aventure-se! Existem várias formas de conhecer o Rio Grande do Sul. Você pode optar pela rota metropolitana, onde estão as principais cidades mais próximas de Porto Alegre, o Litoral, onde poderá conhecer as melhores praias, a Serra Gaúcha, um dos destinos mais procurados por turistas que visitam o Estado, e ainda a Rota Central e Interior, onde cidades atrativas esperam a sua visitação. Ser gaúcho é motivo de muito orgulho para cada um dos 10,5 milhões de habitantes do Rio Grande do Sul. Mais dia menos dia, mesmo quem não é nascido no estado, mas ali vive, co…

DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS - COM O 5º MELHOR IDH, 10ª MELHOR PARA INVESTIR E CONSIDERADA A METRÓPOLE DO FUTURO SEGUNDO A REVISTA "VEJA"

LINHA DO TEMPO DE DIVINÓPOLIS / MINAS GERAIS / BRASIL  HISTÓRIA Os índios que habitavam Divinópolis, mais de quatro mil, eram um povo pacífico. A Legião da Conquista (cerca de 1400 homens fortemente armados sob o comando do Mestre de Campo Inácio Correia de Pamplona), pelos idos de 1785, expulsou a comunidade indígena na região que partiu em direção à Floresta Amazônica (Alto Xingu). Segundo o pesquisador Flávio Flora, os índios que habitavam Divinópolis eram os índios da Nação Caipó, da tribo Candidés. Manoel Fernandes Teixeira marca sua chegada em 1684, as margens do rio Itapecerica, habitadas pelos índios Candidés, o começo da cidade. Conta – se que ele era de origem portuguesa. Mais tarde em 1770, quando se tornou próspero fazendeiro doou à Mitra Arquidiocesana de Mariana um terreno de “40 alqueires de terra e um lote de casas”, onde se construiu uma capela destinada ao Divino Espírito Santo e a São Francisco de Paula, iniciando o povoado do Divino Espírito Santo do Itapecerica. A cida…

GALILÉIA / CIDADE DAS MANGAS

BEM A CIDADE DE GALILÉIA. TERRA NATAL DE SÃO TOMÉ (HOMENAGEM) imagem - Lamarthine C. Ribeiro GALILEIA TEM 6.951 HABITANTES
QUEM NASCE EM GALILEIA EH: GALILEENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 27 DE DEZEMBRO E FOI EMANCIPADA EM 1.948

PIUMHI / CIDADE DAS MAIS BONITAS PRAÇAS DE MINAS

SEJA MUITO BEM VINDO A CIDADE DE PIUMHI. UMA DAS MAIORES PRODUTORAS DE CAFÉ E UMA DAS MAIS AGRADÁVEIS CIDADE DE SE ESTAR.
foto - Thymonthy Becker
PIUMHI TEM 31.883 HABITANTES (IBGE 2010)
QUEM NASCE EM PIUMHI EH: PIUIENSE (IBGE)
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 20 DE JUNTO E FOI FUNDADA EM 1.868

UM MORADOR DA CIDADE COM QUEM ESTIVE QUANDO TIREI ESTAS FOTOS, DISSE QUE O NOME DA CIDADE VINHA DE UM MOSQUITO QUE ERA ABUNDANTE NA REGIÃO E OS ÍNDIOS LOCAIS O CHAMAVAM DE PIUM.
PERGUNTEI O MOTIVO DO "HI" NO FINAL DO NOME. ESTA PESSOA NÃO SOUBE EXPLICAR O PORQUE DO "HI" AO FINAL DE PIUM.
CONCLUI QUE PODERIA TER SIDO PELO FATO DOS GRANDES FAZENDEIROS IREM ATÉ A REGIÃO COMPRAREM TERRAS E AO DEPARAREM COM OS TAIS MOSQUITOS, ACONTECIA O SEGUINTE DIÁLOGO:
FAZENDEIRO: __EH PIUM?
VENDEDOR :  __ SIM.
FAZENDEIRO: HIIIIIIII. NÃO VAI DAR NEGÓCIO.
DAI O NOME FICOU "PIUM HI. BEM, ESTA EH MINHA VERSÃO.

AQUI PODEMOS VER UMA AVENIDA CENTRAL
foto - Thymonthy Becker
POR VOLTA DE 1707, FAMÍLIA…