sábado, 15 de dezembro de 2012

OLHOS D'ÁGUA / NO PARQUE NACIONAL DAS SEMPRE VIVAS


















BEM VINDO A CIDADE DE OLHOS D'ÁGUA. NA SERRA DO ESPINHAÇO
AQUI UMA CACHOEIRA DA REGIÃO
imagem - ?
OLHOS D'ÁGUA TEM 5.267 HABITANTES
QUEM NASCE EM OLHOS D'ÁGUA EH: OLHOS D'AGUENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 21 DE DEZEMBRO E FOI FUNDADA EM 1.845

ORIGEM DO NOME

O primeiro nome de do vilarejo foi Pasto das Éguas, dado a condição de ser pouso dos tropeiros, o apoio dos Bandeirantes, Sertanistas e mineradores, nas suas andanças.
Mais tarde devido a presença de três nascentes de água, que os moradores do local usufruíam conduzindo água até mesmo para os quintais de suas casas, deu-se o nome de Santana de Olhos D′Água. O nome Santana, teve influência de famílias provenientes de Diamantina e talvez origens relacionadas com os Bandeirantes, que resolveram se instalar. Posteriormente Olhos D’água
HISTÓRIA


Foram as primeiras entradas baianas de pesquisa mineral, na busca de ouro e diamante, para a Coroa Portuguesa, no século XVI, que atingiram o Norte de Minas. Alguns historiadores afirmam que a primeira expedição a penetrar na região norte-mineira foi a de Espinosa e Navarro. Partindo de Porto Seguro em 13 de julho de 1553, foi se dispersando, deixando componentes em pontos escolhendo as melhores terras, povoando a região, (Fernandes Ribeiro, 1988).
Em 1573, também partindo de Porto seguro, a Bandeira de Sebastião Fernandes Tourinho, atingiu regiões do Rio Jequitinhonha e do rio Araçuai.
A segunda entrada para o Norte de Minas foi a grande Bandeira de Fernão Dias Pais, que partiu de São Paulo em 21 de julho de 1674, em busca de esmeraldas e outras pedras preciosas. Nessa bandeira, Matias Cardoso, organizou-se nas margens do Rio São Francisco, instalando grandes fazendas de apoio aos Bandeirantes e para criação de gado. Antônio Gonçalves Figueira, guia da Bandeira de João Amaro, que saiu de São Paulo em 1691, instalou também grandes fazendas na região de Jaíba, Montes Claros e Olhos D′ Água, (Fernandes Ribeiro, 1988).
É importante ressaltar que em 1820 o padre naturalista francês Auguste de Saint-Hilare, passou pelo Norte de Minas registrando a presença de várias famílias grandes e tradicionais que povoaram vários pontos do Município.
A região de Olhos D′Água, foi povoada em função destas mesmas atividades mineradoras, pois era o caminho que ligava Montes Claros a Diamantina, que unia os vales do São Francisco e Jequitinhonha.
Muitos descendentes das famílias tradicionais de Olhos D′Água ainda moravam na Fazenda Ribeirão, que hoje é um vilarejo.
O povoado de Olhos D′Água nascia sobre influência de várias famílias tradicionais, dentre elas as famílias Dias, Vieira e Praes, havendo fusões como Vieira Dias, etc.

AQUI O ENTORNO DA CIDADE
imagem - F. Welber
ESCOLA PÚBLICA
imagem - F. Aguiar
RIO
imagem - Miro Bilharvas
A PRAÇA DA IGREJA
imagem - Donbigon
IGREJA DE SANT'ANA
imagem - Gildazio Fernandes
PADARIA
imagem -  Miro Bilharvas
VISTA PARCIAL
imagem -  Joel Junior BA
GERAL
imagem - Donbigon
POSTO E HOTEL
imagem - Miro Bilharvas
PRAÇA
imagem - F. Aguiar
PRAÇA
imagem - F. Aguiar
PRAÇA
imagem - F. Aguiar
RIO JEQUITINHONHA
imagem - Gildazio Fernandes
RUA
imagem - F. Aguiar
RUA DA IGREJA
imagem - Gildazio Fernandes
BAIRRO POPULAR
imagem - Miro Bilharvas
ESTE EH O BRASÃO DA CIDADE

NANUQUE / A PÉROLA DO RIO MUCURI


















VINDO A CIDADE DE NANUQUE. NO VALE DO MUCURI
AQUI UMA VISÃO GERAL DA CIDADE COM O RIO MUCURI QUE A CORTA AO MEIO
imagem - Wagson
NANUQUE TEM 40.834 HABITANTES
QUEM NASCE EM NANUQUE EH: NANUQUENSE
A CIDADE FAZ ANIVERSÁRIO EM 27 DE DEZEMBRO E FOI EMANCIPADA EM 1.948

ORIGEM DO NOME
Nanuque significa Bugre de cabelos negro
HISTÓRIA


A região que compreendia o município de Nanuque, desde o descobrimento do Brasil, atraía, demasiadamente, as atenções portuguesas, embora a presença dos ferozes índios Botocudos (Nak-Nucks, Giporoc, Pataxós, Machacalis, Potés, etc), impedisse a exploração adequada do local.
O Sr. Teófilo Benedito Otoni teve uma idéia em relação à região inóspita, habitada pelos ferozes Botocudos: submeteu o plano de sua Cia. de Comércio e Navegação do Rio Mucuri à consideração do Governo Imperial, que assinou parecer favorável a 31 de março de 1874. Ele larga do rio, a 4 de setembro do mesmo ano a bordo do Princesa Imperial, chega à Vila de São José do Porto Alegre (atualmente Mucuri - BA) e depois prossegue até as proximidades de Santa Clara. A inavegabilidade do Mucuri a partir de Santa Clara não o desanimaria, e sua Cia. de Navegação efetivada pelo Decreto n° 802 de 12/07/1851, passaria a construir estradas. Depois da Cia. de Comércio e Navegação do Mucuri, sob responsabilidade de Teófilo Otoni, outro empreendimento, tendo a frente o engenheiro Miguel de Teive e Argolo, seria propulso-civilizador do Mucuri. Em 25/10/1878, a Lei mineira de n° 2.775 e a baiana de n° 1.946, de 28/08/1879, davam origem a Estrada de Ferro Bahia - Minas, que só se iniciou a 25 de janeiro de 1881, tendo a 9 de novembro do mesmo ano quase 143 km em tráfego.
A região ficou conhecida como Sete de Setembro, devido a um córrego com este nome, que desembocava no rio Mucuri. Na fazenda Cachoeira, de propriedade de Antônio Barroso, no km 170 da Estrada de Ferro Bahia - Minas, onde as locomotivas passavam, quando em trânsito, para se abastecerem de água e lenha, exatamente no pontilhão. O serviço era feito por intermédio de baldes, não havia bombas nem caixa d'água. Depois, por construírem uma Caixa D'água, entre a atual e a estação da EFBM, a localidade adotou esta denominação, assim permanecendo durante algum tempo.
Em 1911 o armador João Américo Machado, depois arrendatário da EFBM, fez uma visita a Caixa D'água e entendeu-se com a família Schieber adquirindo terrenos por quinhentos mil réis para instalar uma grande serraria. Ao retornar, João Américo veio de uma só vez com vasto material e ferramentas, famílias de nacionalidades diversas, operários de várias especialidades e um carro da Estrada de Ferro que foi transformado em estação e nele instalado um aparelho Morse. Com a inauguração da Serraria Industrial do Mucuri, a 7 de Setembro de 1912, consagrou-se esta data como de fundação do povoado Caixa D'água. O carro-estação telégrafo assim funcionou até 30 de julho de 1918 quando se inaugurava a Estação Presidente Bueno, homenageando a Bueno Brandão ao assumir o governo do Estado. O nome seria extensivo à localidade por alguns anos.

imagem - Wagson
AEROPORTO
imagem - Jurandir Rios
ALBERGUE MUNICIPAL
imagem - Jurandir Rios
EXTINTA FÁBRICA DE TECIDOS
imagem - Wagson
CACHOEIRA
imagem - Stelio Bueno
FACULDADE
imagem - PMN
FIAT AUTOMÓVEIS
imagem - Jurandir Rios
LAGOA DOS NAMORADOS
imagem - Evando Costa
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
imagem - Vicente A. Queiroz
A MATRIZ NO CONTEXTO DA RUA
imagem - Jurandir Rios
FAMOSA PEDRA DO BUENO
imagem - Stelio Almeida
imagem - Evando Costa
imagem - Evando Costa
SUPER MERCADO
imagem - Jurandir Rios
ESTAÇÃO RODOVIÁRIA
imagem - Jurandir Rios
SEDE DO PODER EXECUTIVO - PREFEITURA -
imagem - PMN
CONHEÇA UM POUCO MAIS A CIDADE DE NANUQUE
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Stelio Bueno
imagem - Ademir de Matos
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Evando Costa
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
imagem - Jurandir Rios
RIO MUCURI
imagem - Hersino
imagem - Gegeu
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO